quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Eu já não sou eu




Todos os dias, quando me olho ao espelho pela manhã, vejo outra pessoa. Deixei de ser quem era. Perdi-me de mim. Abandonei-me.
Vejo a mãe que perdeu um filho, vejo a mulher que sofre todos os dias em silêncio, vejo a mulher que perdeu a força, vejo a mulher que tem de fingir ser o que já não é, vejo a mulher que tem pena de si mesma. Vejo o que mais ninguém vê.
Todos os dias, depois de passar a água pela rosto, ao regressar com os olhos ao espelho, inspiro e lamento a pele que tenho de vestir a partir daquele momento. Lamento-o e lamento-me.
Dali em diante, tenho de ser a pessoa que era antes. Tenho de ser a colega de trabalho de sempre, a amiga animada e disponível de sempre, a filha presente como sempre, a mulher de sempre.
Mas já não o sou. Apenas vou fingindo ser. Para que não hajam perguntas. Para descanso dos outros. De todos aqueles com quem cruzo os meus dias e que me julgam regressada ao que era, sem histórias nem passado e presente por resolver.
Todos os dias, ao sair de casa, arrasto estes olhos, agora lamacentos, e esta alma estilhaçada. Com os vértices afiados a infligirem-me dor, sempre. Mas vou. A normalidade lá fora obriga-me a ir. A encenar mais um dia. E a esperar que as horas corram, para que eu possa voltar a casa, tirar a máscara da normalidade, e dar ao espelho a pessoa que não sou.
Em troca, aguardo que o espelho me devolva a mim mesma.
Àquela pessoa que agora, tão distante e estranhamente, sou.


4 comentários:

  1. Vai passar, tudo passa e cada um tem o seu relógio. Não queiras apressar o teu mas não te escondas no espelho.
    Um abraço apertado

    ResponderEliminar
  2. tu és eu em tantas coisas.
    estranhamente...

    ResponderEliminar
  3. tu és eu em tantas coisas.
    estranhamente...

    ResponderEliminar
  4. Agora não parece mas vai passar, vai passando ... Beijinhos

    ResponderEliminar