sexta-feira, 17 de maio de 2013

P'ró caralho, meu amigo!





P'ró caralho, meu amigo!
Isto é mesmo assim. Sem polimentos nem delicadezas.
Não vales ponta de corno como colega de trabalho [sim, vou falar do trabalho, identifiquem-me o ID e venham-me cá prender] e desconfio que como homem ainda és pior mas, na tua vidinha particular fazes o que bem entenderes e faltas ao respeito a quem deixar mas, aqui no trabalho, não voltas a fazer farinha comigo porque, até ver, tenho sido a gaja porreira que nem mereces que eu seja. 
É verdade, sim senhor, sou uma gaja desbocada e tenho tanto a mania de não ter segredos profissionais que acabo por fazer uso da transparência das palavras, mas ainda meto travão na falta de educação e também vou tendo alguma noção de hierarquia e respeito pelos mais velhos [sim, se me estás a ler, és um velho! Porra, pá!]. Mas isto hoje acabou-se! Não papo faltas de respeito nem constantes tentativas de humilhação [vai tentando] e muito menos manifestações machistas contra a minha pessoa.
Sou uma gaja cumpridora do meu horário de trabalho, nunca falto, nunca meti uma puta de uma baixa médica [nem verdadeira nem falsa - sim, eu sei quem vocês são], sou uma colega porreira, sou profissional, sou competente, sou responsável, sou tudo! 
Esse tudo, devia bastar-te para manteres a linha da dignidade que existe entre ti e mim. Não me tens de amar, nem  de adorar o meu riso estridente ou de ser fã das minhas roupas-demasiado-modernas-para-a-tua-tacanhez, mas mantém essa tal dignidade e esse respeito se esperas o mesmo de mim.
Não aceito que um caralho qualquer [isto já nem é contigo, é com toda a minha gente] me venha passar atestados de incompetência, de burrice e de estupidez. Atestados passados por um perna-aberta [isto já é contigo] que diz que sim às maiores barbaridades só para ficar bem com Deus e com o Diabo. Que diz que sim, por cima de quem diz não, para favorecer amigos e facilitar compadrios.
Não aceito bocas que dissimulam comentários humilhantes à minha competência profissional, de um machista frustrado que, por não ter onde exercer a sua autoridade, pensa que a pode vir exercer em mim. Sou mulher mas não sou estupida e já devias saber que subestimar uma mulher inteligente dá merda e, não raras vezes, uma rotura sangrenta e perpétua. És velho de cabeça mas pouco sábio e ainda não aprendeste ou percebeste que uma mulher ferida é pior que uma puta de uma vaca que muge toda a noite junto aos ouvidos até se implorar a Deus para morrer.
Pois "deslembra-te" de mim meu amigo. Não sou tua mulher, nem tua amante, nem tua filha, nem tua empregada, nem tua subalterna, nem tua admiradora, nem tua-porra-nenhuma.
Sou uma gaja que trabalha no mesmo sítio que tu, para o mesmo patrão que tu, que tem as mesmas obrigações que tu e que tem os mesmos direitos que tu [em teoria, pelo menos, que eu sei que tens levado umas palmadinhas nas costas], por isso não me venhas dar cházadas, nem gracejes com o que não tem gracinha nenhuma [o Diabo que te carregue mais ao teu sentido de humor geriátrico-rebarbado] porque do meu lado só vais ter como retorno repostas lixadas e reprovadoras, sem mudar a perspectiva de que não és mais do que eu.
Vou-me ficar por aqui, apesar de haver muitos anos de coisas por dizer, mas lembra-te que isto que estou a fazer contigo chama-se só falta de educação [vendo bem, em legítima defesa e para me poupar a ir para um psicólogo tratar das neuroses que, amiúde, me proporcionas. É, digamos, um desabafo terapêutico. Assim como uma espécie de saco de boxe, 'tás a ver?] mas o que tu me tens feito tem um nome: Assédio.
E tem outro: Perseguição.
E pasma-te mas tem ainda mais um: Cobardia.

Já agora, a propósito daquela cena do ID, se te der para me vires foder o juízo pelo menos que seja como diz o outro: mexe-me nas mamas porque eu gosto que me mexam nas mamas quando me estão a foder.
(Foda-se! Isso querias tu... que não vês umas vai para cima de um centenário).




3 comentários:

  1. Minha amiga,
    eu, que tenho umas «manápulas» enormes, sou optima para dar estalos.
    Beijo grande,
    Ana

    ResponderEliminar
  2. Vou guardar religiosamente este texto brilhante. Temo poder utilizá-lo (como terapia) em diversos momentos da minha vida. Basta trocar uma palavrinha ou outra! Grande mulher!

    ResponderEliminar