sexta-feira, 31 de maio de 2013

Seremos velhos



Quando fores velho,
Eu também o serei.
Não me irei rir de ti.
Não estranharei esse velho corpo.
Não sentirei outro cheiro que não o teu.
Não vou ver-te como um velho.
Serei igual a ti quando o fores.
Estarei cansada e caduca.
De pele seca como barro.
De olhar vago e sem horizonte.
Também terei largado este corpo.
O cheiro da minha pele não será o mesmo.
Olharás para mim e verás um cúmulo de histórias passadas.
Mas não te lembrarás da moça nova que fui para não te amargurares.
Pensarás nela como uma perda.
Por vezes chorarás.
Sentirás falta da alegria que tive.
Também tu não quererás rir.
Quando formos velhos seremos outros.
Não existiremos como somos agora.
Tal como agora já não somos o que já fomos.
Seremos outras pessoas novas em corpos velhos.
Mas olharei para ti e continuarei a ver-te.
A ver o amor que nos uniu.
A ver a jóia que guardas dentro de ti.
Olharei para as tuas velhas mãos e saberei que és tu por baixo dessa pele.
Sei que olharás para mim e não reconhecerás a moça que fui.
Mas olharás para mim e vais amar-me nessa lembrança, como se ainda o fosse.
Continuarás a procurar-me os pés debaixo dos lençóis e a reconheres-lhes o calor.
Continuaremos os dois a esperar que as nossas vidas procurem o mesmo dia para o seu fim.



4 comentários:

  1. Tao belo e tao triste..e tao real..

    Estava a ler isto e via alguem com quem nao consegui partilhar vida, embora sempre me tenha dito que era a mulher da vida dele,,e que ainda hoje temos esta ligaçao utopica e eu acredito que podia ter sido,,Parabens pelo texto,,e maravilhoso!

    ResponderEliminar
  2. Vinha hoje a falar exatamente disto com o meu companheiro de sempre...e, de repente, encontro este texto absolutamente maravilhoso...e arrancaste-me lágrimas...e depois partilhei com ele...
    Obrigada.

    ResponderEliminar