quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

A mulher que me matou



Mataste-me no dia em que o meu desejo se cruzou com a tua crueldade. Naquele dia em que me acenaste com tesão, com sexo entre iguais, com desejo pelo desconhecido, com a fantasia de poder admirar uma mulher pela primeira vez com os olhos de quem descobre o pecado. Com o entusiasmo amedrontado de quem se prepara para fazer algo que exige segredo. 
Mataste-me quando percebi que nunca tiveste qualquer pretensão de cumprir as promessas veladas de prazer. 
Mataste-me no dia em que a promessa de um encontro não foi cumprida. Em que eu fiquei entregue ao nervoso da solidão. Aos tremores de quem finge alguma coisa para além de esperar. Mas eu apenas esperei. Acabaste-me com a moral, a estima e a admiração que eu sentia por mim e conseguiste dar lugar a uma visão perturbada e derrotada de mim própria. Mataste-me por dentro de uma maneira tão devastadora como a tragédia que é alguém perder-se de si próprio.
Mataste-me quando me senti usada e humilhada por ti. Por te impores como uma mulher superior. Por me dares o medo de ser inferior e fazeres disso uma arma. A pessoa que eu era desapareceu, abruptamente, quando acreditei ser menos que tu e quando percebi  isso justificaria a tua sobranceria sobre mim. 
Mataste-me quando me deste a tua voz a ouvir e depois apenas me presenteaste com o silêncio. Como se soubesses a crueldade de dar e retirar sem avisos ou considerações. Como se tivesses prazer em aparecer e desaparecer. Pois que a morte de que me mataste fez-se, mais dos vazios do que dos cheios. Mataste-me mais pelos momentos que não tivemos do que por aqueles que algum dia poderíamos ter.
Mataste-me demasiadas coisas, mesmo aquelas que não te dei. Mataste sim. Mataste coisas que nem tu sabes que por tua causa conheceram o seu fim. Mataste-me a vontade de escrever e eu não encontro morte maior e mais sofrida que aquela que me fez desistir de mim.



3 comentários:

  1. És tu que escreves todos estes textos que partilhas? Se és, muitos parabéns! =)
    Um beijinho d'A Gata *

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar