terça-feira, 24 de março de 2015

Na noite escura



"Na noite escura"
de Amélia Muge


Na noite mais escura 
Não sei já quem sou eu
Pois já nada perdura 
Do tempo que foi meu
É estreita, tão estreita
a noite na distância
Já só tenho em mim
a mais obscura ânsia

já nada mais me resta
do que a dor sempre entoou
e a violência nua
da noite sem o canto

já nada mais me resta
do que a dor sem um pranto
e a violência nua
da noite sem o canto

Na noite mais escura 
Não sei já quem sou eu
Pois já nada perdura 
Do tempo que foi meu
É estreita, tão estreita
A noite na distância
Já só tenho em mim
A mais obscura ânsia

Já nada mais me resta
Do que a dor sempre entoou
E a violência nua
Da noite sem o canto

Já nada mais me resta
Do que a dor sem o pranto
E a violência nula
Da noite sem o canto


Sem comentários:

Enviar um comentário