terça-feira, 7 de julho de 2015

A certeza de que nada é como imaginamos ser



Lembro-me tantas vezes de uma vez, ao primeiro espasmo poético de um conhecido meu, ter dito cheia de certezas: "Ele não passa de um bluff literário."



Já tem meia-dúzia de livros editados.

Em que mundo vivo eu?



5 comentários:

  1. Num mundo em que muitos bluffs são publicados?

    Boa noite, DC. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Num mundo em que há de tudo. Até livros sobre "mães guerreiras".
      Que é uma cena que me assusta pra caraças.
      WTF são mães guerreiras?
      E o que têm elas para contar?
      Entre outros temas absolutamente necessários.

      Eliminar
  2. num mundo em que podes escolher o que ler :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lendo bem o que escrevi, parece que continuo a não dar crédito ao escritor em questão, e não é isso.
      Passei foi a dar-me um grande descrédito enquanto leitora.
      Porque não há como contornar as evidências, a pessoa tem de ser alguém de valor no mundo literário para colher os louros que colhe.
      Eu é que ainda não compreendi porquê, por isso é, claramente, uma incapacidade minha.

      Eliminar
  3. Passando pela net encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.
    Tenho um blog que gostava que conhecesse. O Peregrino E Servo.
    PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais faça-o de forma a que eu possa encontrar o seu blog para o seguir também.
    Que haja paz e saúde no seu lar.
    Com votos de saúde e de grandes vitórias.
    Sou António Batalha.

    ResponderEliminar