quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Um ano. Mil choros.




Chorei demasiadas vezes este ano.
Gostava de dizer que sempre por culpa minha.
Que por amarguras minhas.
Que por falta de estrutura.
Que por excesso de temperamento.
Que por arrogância.
Por ira
Inflexibilidade...

Nem sempre.

Chorei demasiadas vezes este ano.
Muitas vezes, quase todas as vezes, pelos outros.
Por causa dos outros.
Porque sofri pelos outros.
Pela dor outros.
Pela dor que outros me infligiram.
Por ser fraca.
Por ser atingível.
Por amar.
Por necessitar de aprovação.
Por humilhação.
Por vergonha.
Por não ser capaz.
Por não estar à altura.

Mas nem sempre.

Chorei demasiadas vezes este ano.
Também por capricho ou falta dele.
Chorei porque sim e porque não.
Chorei por coisas que aconteceram.
Por coisas que não aconteceram.
E por coisas que deviam ter acontecido.
Por coisas que eu queria ter alcançado e não consegui.
E por coisas que consegui e preferia agora não as ter.
Chorei por coisas que, simplesmente, consegui e não sabia ser possível conseguir.
Chorei porque as estruturas se afundaram.

Sei, porque sei, porque a arrogância me deixa ter a certeza de o saber, que o ano que vem vai doer mais.
Que o ano que vem vou finalmente saber o que é chorar demais.



7 comentários:

  1. Só descobri hoje o teu blogue e gostei tanto, tanto deste post, que não podia não comentar. Obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que tenho de agradecer.
      Não sou de aparecer em caixas de comentários mas já te tinha visto numa ou outra de blogues que ambas vemos.
      Obrigada pela visita.

      Eliminar
  2. Viver faz-nos sentir e sentir também nos faz chorar. Provavelmente, não é nada provavelmente, é de certeza, também irei chorar em 2016, e vai ser todas as vezes por muito sentir, e se é por muito sentir, ainda bem?
    Dias Cães, venho aqui e quase nunca digo nada, mas este continua a ser um dos "meus" sítios. Hoje apeteceu-me deixar os votos de um muito bom 2016, mesmo que lavado em lágrimas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia, este blogue,que tem tido os seus momentos de silêncio mas de facto nunca abandonou o mesmo registo. O que denota que por maior que seja o esforço em sair do buraco, ainda não consegui sair de lá. Este ano em particular.
      Nunca espero que alguém me leia mas quando o percebo pelos escassos comentários sinto-me melhor.
      Por isso obrigada.
      Pela companhia.
      Pelo ombro.

      Eliminar
  3. Às vezes, chorar consola.

    Feliz Ano Novo, DC! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas preciso tanto descansar.
      Já me sinto exausta.

      Bom ano Maria!
      Um excelente ano novo é o que te desejo.

      Eliminar
    2. Que as lágrimas sejam de alegria! :)

      Eliminar