terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Às prenhas



Houve um baby boom na blogosfera.
Sim, estou que nem posso de inveja de vocês.
Sua malditas mulheres, lindas, inteligentes e férteis.
Sim, também queria estar prenha até à boca.
Queria entender esse fenómeno de engravidar em grupo.
Compreender porque é que as hormonas femininas funcionam em comunidade.
Perceber porque é que uma espirra e as outras emprenham.
Todas emprenham menos eu.
Malditos anticorpos à fertilidade.
Gostava de estar prenha de verdade.
Estar de bucho cheio de um qualquer amor blogueiro.
Justificar a felicidade que não me existe no rosto.
Convencer alguém que não é apenas ar o que tenho na barriga mas sim amor com quatro membros.
Queria ver-me um dia com uma barriga justificada.
Não ser sempre, e só, a gorda.
Nunca vou ter aquele brilho nos olhos que toda a gente vos diz terem.
Não vou envergar lindas roupas de grávida e fazer publicidade às marcas.
Nunca me vou poder queixar das noites em branco nem dos dias de sonho.
Já lá vai a possibilidade de poder fazer um coração com as mãos sobre o umbigo.
Bolas! Bolas! Não vou poder enaltecer as virtudes do homem que me inseminou.
Era bonito estar prenha ao mesmo tempo que todas vós para podermos desovar todas no mesmo dia.
Seria épico criar o feriado nacional da grávida blogger.
Não vou poder passar meses a escolher nomes de menino e de menina dignos de novela brasileira.
Ou então fingir que só vou escolher o nome quando o olhar nos olhos e o conhecer.
Não vou comprar berços, nem penicos, nem fraldas nem chuchas com muita pena minha.
Das minhas mamas não irá jorrar leite.
Lamento tanto não fazer uma barriga de gesso para meter no sótão quando o bebé tiver uns vinte anos.
Estou, honestamente, a morrer de inveja por fora e por dentro. Sobretudo por dentro.
Definho, de verdade, porque a alegria das imensas prenhas não chega para me fecundar o útero.






10 comentários:

  1. Sinto nessas palavras algo que já senti no peito...e nos olhos...
    INFERTILIDADE...ainda ontem escrevi sobre ela...e sobre essa gaja que nos tira a capacidade de sorrir....
    mas eu fui das SORTUDAS...e fui uma PRENHA abençoada e AGRADECIDA...
    desejo-te a mesma felicidade!!
    bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem muitas formas de infertilidade e muitos motivos para não se ficar grávida e não se ter filhos.
      Eu estou mais aí: nos outros motivos.
      Felizmente sou fisicamente mais fértil que um poço de petróleo mas sou desprovida de outras condições necessárias.
      Fico contente que a tua história seja daquelas que tem um final feliz.
      Bjs

      Eliminar
  2. O facto de termos nascido mulheres já encerra em nós uma grande possibilidade de tornar esse sonho realizado. Se calhar não vai ser como queríamos, mas afinal, nada é!
    Partilho desse teu desejo e talvez partilhe da mesma falta de condições.

    ResponderEliminar
  3. amei

    http://thetruepatsystone.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Se não te respeitasse, perguntava-te se querias fazer um filho...! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se me perguntasses se eu queria que TU me fizesses um filho é que a coisa ficava meia-estranha.
      Assim, até é fácil de responder ;)

      Eliminar
  5. Não sintas. O cocó deles tem um cheiro tâo pouco fashion... :S

    ResponderEliminar