sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Pelo mar adentro

Fotografia de Jon Gavin e Texto de Dias Cães para Black Velvet



Foi-se pelo mar adentro,
Como sombras que falecem,
Por entre almas que se perderam.
Foi-se pelo mar adentro,
Como uma dor que não acaba.
Como um tormento e um enfado,
Foi-se pelo mar adentro.
Perdeu-se num desalento.

Caíram lágrimas de sofrimento,
Chorou-se a vida e o lamento.
Sofreram-se  perguntas e indignações,
Aramaram-se teias de multidões.
Cortaram-se pulsos,
Tentaram-se segredos,
Foi-se pelo mar adentro.
Morreram-se-lhe os medos.

O chão dobrou-se sobre os pés.
Abriu-se um fosso sobre o mar.
O horizonte findou-se num despertar.
Não mais se avistou um revés.
Foi-se pelo mar adentro.
Morreu sem lamentar.
Entregou-se mar adentro.
Morreu sem esperar.

Mergulhou asas e pensamentos.
Submergiu-se num ritmo lento.
Despediu-se sem ninguém ver.
Não viveu nem quis viver.
Afundou-se num hino frio.
Foi-se morta pelo mar adentro.
Não lutou nem se ergueu.
Entregou-se e não venceu.






2 comentários: