sábado, 21 de abril de 2012

O Hipercubo


Para quem quiser saber mais...

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hipercubo
http://cmup.fc.up.pt/cmup/pick/Manhas/Modulo1Hipercubo.html

És constrangido por seis paredes.
Desconheces-lhe a forma porque não tens luz.
Mas é um cubo. Digo-te eu.
Agradece-me, desde já, a ajuda.
Dispões apenas de um metro cúbico para viveres.
Estás sentado num dos planos desse cubo.
Não lhe chames chão. Desconheces-lhe a orientação.
A gravidade? Não. Não contes com ela.
Precisarias de um plano de referência para te orientares.
Não o tens. Digo-te eu.
Estás, simplesmente, sentado.
Enroscado em ti mesmo. Abraçando as pernas flectidas.
Quero lembrar-te: estás no escuro sentado entre seis planos unidos em ângulos de 90º.
Dispões apenas de um metro cúbico para viveres.
Estás inerte porque te imaginas sem alternativas.
Ainda não moveste um milímetro de ti porque esperas, primeiro, que o cubo se abra.
Depositas no cubo a única chance de viveres.
Depositas a tua vida numa coisa estanque. Que nunca se irá mover.
Estás em agonia. Uma agonia contida por seis paredes.
Questionas-te pouco porque tens na ignorância a tua fiel companhia.
E não admites mas sentes-te cansado dela.
Estás farto de ti.
Queres evadir-te desse lugar.
Mas agora pergunto-te: Que fizeste até agora para daí saíres?
Já tentaste empurrar as paredes para ver se cedem?
Já procuraste um interruptor para acender a luz?
Já tentaste localizar-te e perceber em que plano estás?
Já gritaste por ajuda na hipótese de alguém te ouvir?
Já levantaste a cabeça para veres se existem portas?
Já?
Podes começar a tentar, por favor?
Não esperes que alguém o faça por ti.
Abre os olhos, faz um esforço, move-te como puderes, grita o mais alto que conseguires.
Ergue-te!
Não dispões apenas desse metro cúbico para viveres.
Essa ideia residia apenas na tua cabeça.
Empurras as paredes.
Nunca foram estanques. Tu é que nunca as tentaste mover.
Estás livre.
Conseguiste.
Olha em volta. O que vês?
Mais paredes?
Outros planos, outras arestas?
Sentes desnorte e não entendes?
Pois olha só: Não existe chão!
O que tinhas certo, como o sendo, agora é um plano inclinado.
Mudaram as circunstâncias. Mudou-se o contexto.
Estás assustado?
Habitua-te.
Quantos mais cubos pensas que terás de vencer?
Quantos mais cubos, dentro de cubos, pensas que terás de abrir?
Quantos mais planos e intersecções pensas que terás de viver?

Poderás nunca consegui evadir-te do cubo maior, mas terias maneira de saber que ele existe se não tivesses fugido do cubo mais pequeno?




19 comentários:

  1. Onde é que eu andei este tempo todo que não conhecia este blog?!

    brilhantemente "dito".

    :)

    ResponderEliminar
  2. Oh, Dias!Traduziste-me!Estou em lágrimas, obrigada!( Tu me conheces? Estou a pensar que sim.)Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Márcia! Então a chorar? Imagine se o cubo fosse forrado a pregos! Isso é que faria chorar... (estou a brincar consigo, para ver se agora a faço rir).
      Beijos :)

      Eliminar
  3. muito bom, dias caes, como sempre. és fenomenal na construção imagetica...
    achas que "ele" entenderá a mensagem?...

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Ele"?
      Era suposto eu perceber esse "ele"?
      Hmmmmm... Quanto mistério :)

      O imaginário dará respostas e levantará quetsões de maneiras diferentes a cada uma das pessoas que ler o texto.

      Existirão muitos "eles" em cada um de nós.

      Beijo

      Eliminar
  4. o "ele" pode ser um "eu", pode ser um "ela". a questão principal não é definir o destinatario, mas sim a percepção da mensagem. desculpa, se não me fiz entender...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebi perfeitamente e respondi mais na paródia, mas esta distância entre o "escrito" e o "lido" muda tudo. (devia gravar as respostas em áudio - iam ver que sou muito mais bem-disposta do que pareço).

      Eliminar
    2. ;)
      miuda, curte-te bué!

      (não te assustes, sei que gajas não é a tua onda :) :) :)

      Eliminar
    3. ;)
      miuda, curte-te bué!

      (não te assustes, sei que gajas não é a tua onda :) :) :)

      Eliminar
  5. Bem, parece que sou o primeiro gajo no cubo... :)

    Já conhecia o cubo e também me fascina. Não conhecia este teu blogue, gosto da forma como concilias sexo e outros temas, com grande inteligência. Não é daqueles blogues em que sexo vem num pacote (eheh) também com erros de português...

    És um Espírito Livre. És bem vinda ao meu blogue. Por acaso tenho um "post" sobre Rebanhos & Espíritos Livres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-vindo!
      Eis o problema de que me ando a tentar safar: Isto não é, nunca foi, nem pretendo que seja, um blog erótico. Mas anda tão difícil de explicar isto :)E eu não tenho facilitado, eu sei.
      O que interessa é que gostem de aqui chegar e ler-me... não importam os temas.
      Entretanto vou ali a um blog que me indicaram e já venho ;)

      Eliminar
    2. Pois, o sexo é um tema que tem tendência a arrastar tudo o resto com a sua lava de luxúria...
      Eheh vai e está à vontade. ;)

      Eliminar
  6. Há sexo em pacote??

    Aposto que é daqueles fodidos que diz "abertura fácil"! :|

    PS: Gosto muito dos filmes do Cubo!

    ResponderEliminar
  7. Uma tirada à Aflito no meu blog :) Quanta honra!
    Bem, vamos lá a esquecer esta conversa do sexo e do pacote... já não sei que faça...

    PS: Também eu mas, como tantos outros, não precisavam ter passado do segundo filme e mesmo esse podia ter terminado meia-hora antes daquele final patético.
    Deslumbraram-se e acabaram a vender-se. Uma pena meu caro, uma pena...

    ResponderEliminar
  8. Porra, que fiquei sem palavras, logo a mim que nunca me faltam. Agora não tenho tempo, mas voltarei Segunda-Feira, ciente da minha pequenês. Brilhante, o pouco que consegui ler...))

    Behjo ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já te disse Salvador: É o isolamento que nos dá cabo da cabeça! É o isolamento... :)
      Obrigada pela visita.
      Aparece mais vezes para um caféi com lete :)))

      Behjo

      Eliminar