segunda-feira, 2 de julho de 2012

Desejos obscuros



Os infinitos corredores de mármore ampliavam as sombras das enormes janelas de sacada do antigo convento. O brilho da luz da manhã lambia o chão polido e agudo, travado pelas imensas paredes brancas decoradas com lambris de azulejos em cobalto e estanho.
Os seus passos ecoavam em cada um dos generosos corredores e o rosto ora iluminava-se ora ensombrava-se, conforme se iam descontando as janelas. Caminhava firme pelo mármore mas de rosto sobre os pés. De pasta na mão direita e dois ou três livros debaixo do braço esquerdo. Por vezes erguia a cabeça e cumprimentava alguns professores seus colegas, mas apenas por cortesia. Tinha uma atitude reservada.
Uma vez por semana, precisamente antes das aulas de teoria de arte que leccionava, a sua pulsação estranhamente balava-se quando os, seus passos certos pelo mármore, eram interrompidos pela passada ritmada de uma intrigante aluna. Sua aluna. Cruzavam-se apenas ao último dia de cada semana. Olhavam-se de soslaio antes de cada aula e fugiam com os olhos logo depois. Os olhares cruzavam-se mil vezes durante a aula. Tantas quantas as vezes que se evitavam. 
Um punhado de semanas depois o jogo já se agoniava na sua garganta. Sabia que era errado desejar o corpo da sua aluna, mas era inegável a sede que tinha de a possuir. A aluna atiçava-lhe a vontade em cada lábio sugado e a cada toque propositado no decote. Em cada mamilo teso que denunciava sob as blusas finas e entreabertas. Os pensamentos assombravam-lhe os dias, as noites, e os seus passos por aqueles corredores. Temia cruzar-se com ela e não lhe resistir.
Um dia, ao fundo de um dos longos corredores, viu-a a espreitar e a recolher-se logo de seguida. Intrigou-se. Hesitou. Foi atrás. Acelerou os passos. Levantou a cabeça. O peito batia mais rápido. Dobrou a esquina do corredor e vislumbrou-a ao fundo, a escapulir-se novamente. Desta vez não se deteve e correu. Largou a pasta e os livros, correu de peito aberto e de susto no rosto. Ao fundo do corredor uma  das portas estava entre-aberta. A biblioteca estava, inexplicavelmente, aberta naquele momento. De pulso descontrolado, entrou sem hesitar.
A sua aluna esperava.
Semi-nua.
Pousada sobre uma poltrona velha. 
Com o desejo a saltar-lhe pelas mamas.
Com a vontade a latejar-lhe entre pernas.
Entreabriu os lábios sensuais para dizer "quero-te", mas sem dizer nada.
A professora correu para o corpo da sua aluna.
Beijou cada milímetro da sua pele e entregou a sua boca aos mamilos tesos da jovem mulher que naquele momento possuía. Chupou cada um até lhe sentir os gemidos de prazer.
As duas entregaram-se de modo ardente e compulsivo, aos dois corpos de mulheres, por entre livros e estantes de mogno velho. Por entre luxo e tesão. Por entre o proibido e o desejado. Apaixonavam-se a cada língua que sentiam. A cada dedo que faziam penetrar. A cada olhar que já não evitavam.

A luz rasante do fim do dia, que agora deslizava pelas janelas de sacada, tocava-lhes de modo quente os dois corpos desnudados sobre a tapeçaria em que dormiam. Abraçadas. De pernas entrelaçadas. Beijaram-se pela última vez na promessa de não voltar a acontecer.
Voltaram a amar-se todos os dias contra a sua vontade.
Contra a vontade de todos os que, entre velhos mármores e velhos mognos, as julgaram.


À nAnónima


2 comentários:

  1. Obscuros desejos, intensos prazeres, profundos amores, beijos sequiosos, promessas eternas...
    Bjs
    Raul

    ResponderEliminar
  2. ... ouve, miuda, eu não posso ler estas coisas às 9h da matina... já nem consigo trabalhar! lindo...
    quanta honra... obrigada...

    (não me estragues com mimos ;)

    ResponderEliminar