quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

De vez em quando também sou feliz, pá!




Tenho recebido diversos comentários, emails, mensagens e sinais de fumo, a dizer que não tenho escrito coisas divertidas, nem alegres, nem picantes (sim, que eu bem sei o que vocês querem) nem coisas sobre mim.
Pois não.
A resposta do costume, e alguns de vocês saberão, é que por essa razão é que os meus Dias são Cães, não são cor-de-rosa. No entanto, não por simpatia mas apenas porque me apetece, vou falar de coisas bonitas. De colibris e de arco-íris. Do amor e das criancinhas. Da alegria do Natal e da união da família.
Epá, não.
Não seria eu.
Efectivamente, não gosto de transformar este sítio numa coisa colorida. Não gosto de outros blogues coloridos. Não gosto de ler sobre a felicidade dos outros. Não me interessa nada que alguém hoje tenha acordado com vontade de gritar que é uma princesa feliz por ter um príncipe encantado no seu castelo.
Dane-se.
Isso não me mexe com as emoções. Comovo-me com outras coisas, bem podem ver, mas a felicidade nunca me fez escrever grande coisa, embora já o tenha feito lá para trás. Mas o tipo de felicidade que me faz escrever é sempre a felicidade dos outros. E nem é num sentido altruísta, é num sentido analítico. Não sei se me faço entender.
Não importa.
Com isto tudo o que quero dizer (e bem se vê a dificuldade que tenho em tornar este blog num sítio com rosto e menos cinzento) é que hoje lá abri uma excepção e perdi-me por uns quantos blogues cor-de-rosa e daqueles em que as pessoas dizem a toda a hora o que estão a fazer e o dizem de uma maneira tão divertida que toda a gente se sente alegre e, sabem que mais, tive vontade de as mandar todas dar uma volta.
C'um caraças! 
Até as mulheres infelizes são felizes. São sempre tão felizes, já repararam?
Até os homens lá no meio do mundinho deles são felizes. Arranjam coisas para dizer que demonstram que estão felizes.
E por isso hoje lá pensei: raios me partam se eu não sou capaz de falar no blog de como sou feliz!
É que às tantas até parece que não sou nem nunca fui feliz.
E apesar de querer transmitir isso não quero que o pensem.
É confuso, pois é. Também eu sou.
Por isso decidi que hoje vos posso falar de mim (pelas muitas mensagens que recebo com curiosidade sobre a minha pessoa) e dizer-vos qual é o meu actual e real estado de espírito.
Mas antes de mais, não esquecer que eu sou a pessoa que aqui escreve mas também sou a pessoa que tem um trabalho enfadonho, que tem uma rotina sem graça, que também tem de ir ao supermercado, à bomba de gasolina e às finanças. Sou aquela pessoa que podia bem estar agora ao vosso lado na fila dos correios, ou a beber uma bica ao balcão do café onde costumam ir.
Ou seja, sou aquela pessoa invisível e anónima como qualquer outra.

Mas cá vamos então:

Ora, eu estou bem de saúde, não se preocupem. É muito raro constipar-me e gripes nem vê-las. Sou asmática, sofro de alergias e tenho uma espécie de diabetes a insistir comigo, mas para já cá me vou aguentando. Quantos de vós não estão pior? 
Pois é isso mesmo, não me posso queixar.
Numa avaliação exterior como sou rapariga robusta tendem a pensar que estou cheia de saúde e que, a sofrer de alguma coisa, é de colestrol e celulite.
Pois enganam-se, em ambos!
Por isso, neste campo estamos conversados. Estou muito satisfeita com a minha saúde.

Quando à saúde das minhas finanças... Enfim... Haja alegria (passemos à frente).

Quanto ao trabalho, tudo jóia. É um trabalho como outro qualquer. 

Quanto ao amor, também tudo jóia (era isto que o pessoal queria saber, não era?).
Apesar de ter sido superiormente aconselhada a nunca revelar felicidade no amor aqui no blog, tendo em consideração o arrastão de fãs que nutrem afecto por mim por ser uma solitária infeliz, deveria ser mais contida neste capítulo, mas já que estamos numa de partilha, pois que seja.
Não se sintam enganados sobre os momentos em que falei de infelicidade: foram todos verdade.
Mas a vida muda, a sorte também, e felizmente ainda existem pessoas invisuais que se regem por outros instintos e, portanto, até eu tive a minha chance.
Pois que se trata de mais um caso amoroso entre bloggers e nós bem que podíamos lucrar com isso e fazer disso um carnaval mas a quem é que isso realmente importa?
Sinceramente nem a nós. 
E pronto é isto. Acho que não há mais nada que faça sentido partilhar (vejam o enfoque que dei à saúde e à sua importância na felicidade, hein?!)
Resumindo, sou feliz malta, dentro de um género particular mas sou.
Não sei escrever coisas como as outras bloggers nem expor-me de determinada maneira mas não sou rapariga de maus sentimentos.
Ah, e acima de tudo até sou divertida.

Estão a ver a Elaine ali em cima no vídeo?
Acho que sou divertida daquela maneira.
Gosto de me imaginar assim (até porque danço assim).
Não sou fofinha nem carismática mas divirto-me para mim e por mim e ocasionalmente os outros também se riem.
Para já é quanto me basta.

Perguntas sobre o tamanho da roupa que visto, a cor dos meus olhos, e que cereais prefiro comer ao pequeno-almoço, é enviar email que eu respondo sempre de modo cordial.
(Para o Natal preciso de uma panela de pressão e gosto de receber cartões de anónimos).

Beijos e abraços
(Ou deveria dizer beijinhos e abracinhos?)




9 comentários:

  1. E agora vou fazer como o gato... blá, blá, blá... whiskas saquetas!
    E um cházinho não se arranja?
    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por acaso devíamos tratar de combinar um chá... não sei bem é quando.
      Não penses que em ando a esquivar.
      Bjs

      Eliminar
  2. Também me irrita esta alegria desmesurada que o tuga se lembrou de ter de um momento para o outro.
    Toda a gente é feliz
    Todos arreganham a taxa da mesma maneira para a foto.
    Todos são contra o cinzntismo (eu gosto tanto do nosso cinzentismo)
    E nada desta merda invalida que a malta se ria muito, impede-nos é de amarelar o sorriso com facilidade.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que eu gosto de cinzentismo... Mas sou uma incompreendida.
      Já de sorrisos amarelos gosto pouco.

      Kiss ;)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Força nisso, o quê, pá?
      Nas perninhas para dançar?

      Eliminar
  4. Li tudo até ao fim e acho que todos têm o seu jeito de ser e ninguém é mais ou menos por isso. Assim sendo, e visto o cinzento tb ser uma cor da paleta tens todo o direito de assim o ser e eu, mesmo sendo cor-de-rosa gosto :)

    Beijinho (porque eu dou beijinhos e acho que beijos é pra outras coisas :P)

    ResponderEliminar
  5. Pois que continues como até agora, com belissimos textos que dão um prazer imenso ler e a tua felicidade que seja tua e apenas de quem tu quiseres mais! Dispenso pormenores... não dispenso a tua escrita! Bom fim-de-semana.
    Beijo (sem inhos)

    ResponderEliminar
  6. Para onde é que mando a panela de pressão?

    R.

    ResponderEliminar