15.10.14

O que nos salva não é o medo






O que me trava a vida é o medo.
Acabei de ter essa certeza.
Quem me pode salvar?


Deitei-me há uns vinte minutos e não consegui adormecer por sentir um tremor dentro de mim. Nada de novo, portanto. Nunca fico tranquila quando me deito. 
Comecei a procurar dentro dos meus pensamentos a razão para esta impaciência - exercício de máxima importância que faço há anos e que me ajuda em 90% dos casos - depois passei para o coração, fui vasculhar no estômago e lá pesquisei a garganta. 
Este exercício de pergunta-resposta tem-me mantido mental e emocionalmente estável. Tranquila, pelo menos. Quando me surgem os tremores no peito, sei sempre que tenho de fazer este exercício e só o terminar quando encontrar o local, a razão e a resolução para esses tremores. Prometi a mim mesma que só fecho a casa depois de a arrumar. Não me tenho dado mal com isso.
E não preciso procurar em muitos sítios dentro de mim para saber onde se dá a desarrumação. Há muito tempo que sei onde se acumulam as minhas angustias. Nunca é nos pés, nunca é nos olhos, nunca é boca. As minhas palpitações vêm sempre da cabeça, do coração, do estômago ou da garganta.
Durante muitos anos procurava a resposta ao meu desconforto interior no coração, porque era o peito que me doía. Tudo parecia vir do coração e, nalguns casos, talvez viesse mesmo. Hoje, quando encontro o problema no coração, sei que se trata de uma dor emocional e não de um problema ou de um conflito por resolver. Quando a razão para as minhas inquietações está alojada no coração, sei que só conseguirei encontrar tranquilidade conversando com alguém sobre o assunto. É o meu órgão da verbalização.
Depois tornou-se evidente que era no estômago que residiam todos os meus problemas. Dava-me aquele friozinho na barriga, vindo sabe-se lá de onde, e comecei, aos poucos, a compreender que frios na barriga são sinónimo de embaraços que não sei resolver ou que já é tarde para resolver. São muitas vezes situações constrangedoras ou mentirinhas de circunstância que sei serem inofensivas mas que me deixam um desconforto. Passa a ser um problema só meu. No fundo é isso: quando o problema está no estômago, quer dizer que já está apenas numa esfera privada e que, do mal o menos, nada há a resolver com terceiros. Quando encaixo isto sei que é tempo de os passar para a garganta e engolir. E basta-me detectar o motivo de me sentir incomodada para me sentir logo tranquilizada: fica o caso encerrado.
Ao realizar esta viagem ao meu interior, se diagnostico o problema na minha garganta, sei que o problema foi falar de menos ou de mais. Sobretudo falar de menos. Deixar coisas por dizer transtorna-me. Mais do que dizer muitas coisas erradas, não dizer algo quando devia gera-me desconforto. E fico a matutar naquilo. A inventar conversas na minha cabeça que não servem para nada a não ser massacrar-me: "E se eu tivesse dito...", "E se eu tivesse respondido...". Apenas quando concluo que não posso voltar atrás no tempo e dizer ou calar o que queria ou, em alternativa, que ainda está nas minhas mãos retomar as conversas passadas e acrescentar-lhes ou corrigir-lhes o que gostaria, é que encontro o equilíbrio. O pior é não encontrar a solução. Andar num labirinto sem encontrar uma saída é sinónimo de nós na garganta para sempre. Para me acalmar e me resolver comigo mesma ou encontro a saída ou desisto e assumo a derrota, mas tenho, necessariamente, de arquivar o caso.
Então e a cabeça? Quando é que os problemas estão na cabeça? E como é que se resolvem?
Quando me vasculho e chego à conclusão que o problema está preso na cabeça... sinto que não há solução. Ou melhor, poderá haver, mas a custo de muito sofrimento, de muitas mentiras dadas a mim mesma, de muitos compromissos anulados, e de muitas palavras-de-honra atiradas ao chão. É a luta que não quero ter: brigar contra mim mesma.
Se o problema já está na minha cabeça sei que foi o medo que o colocou lá. Quando sinto medo quebro. A pior coisa na minha vida é sentir medo. Porque este se instala na mente e a lógica é combatida por milhões de argumentos falaciosos mas pungentes. Daqueles que nos fazem questionar de nós próprios. 
Talvez seja a única pessoa que tem um inimigo dentro da sua própria cabeça mas pelo menos conheço-lhe o nome: chama-se medo. 

Esta noite, em que me deitei para não conseguir dormir, comecei o exercício de perceber o que se passava para me poder tranquilizar.
A conclusão foi simples, muito simples, e até pouco surpreendente.  Eu apenas não tinha querido ir ainda ao fundo da questão mas hoje decidi deixar de fugir. Não vou continuar a esconder que tenho um medo: tenho medo de dormir sozinha. De habitar uma casa sozinha. E isto faz-me de ter medo de, praticamente, tudo.
Faz-me ter medo dos barulhos, das luzes, das sombras, do silêncio, dos cheiros. Tenho medo de não conseguir escrever. De me expôr. de me relacionar. E tenho, sobretudo, medo de viver como uma mulher de trinta anos sozinha, presa a uma mente de vinte, com um corpo de quarenta a viver a vida de uma mulher de sessenta. E tenho medo que a vida seja só isto. Tenho medo de não conseguir reagir ou de, pelo menos, aceitar e arquivar o assunto.

Quando o medo se instala na cabeça dita-se apenas uma sentença de morte: a das nossas certezas.

E quem é que nos vem salvar de nós próprios?
Não será o medo, com certeza.
O que nos salva nunca pode ser o medo. O que nos salva é encontrarmos as respostas para os nossos desassossegos e encontrar a paz, algures, dentro de nós.

Lá consegui perceber o que se passava. E adormecer.


4 comentários:

  1. A minha mãe (lá por coisas da infãncia dela) dorme sempre com a luz acesa e a cabeça tapada, quando o meu pai não está.
    É um trauma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não lhe chamaria trauma mas também não sei que nome lhe dar.
      No ano passado entraram-me em casa enquanto eu dormia e, quando ouvi barulhos e me levantei, dei de caras com o intruso. Gritei tanto que ele fugiu mas, desde esse dia que receio que volte a acontecer.
      E dentro de mim sei que é esta a razão para ter medo de dormir sozinha mas não me consigo tranquilizar.

      Eliminar
  2. li estas palavras com muita atenção. essas fazes todas que relatas para tentares perceber o que se passa quando não consegues adormecer acontecem comigo tb, eu só ainda não tinha percebido em que lugares ficam instalados os meus problemas pq habitualmente começam no coração e quase sempre seguem para a minha cabeça e ficam lá. E eu tento arranjar tantas maneiras de os arrumar ali na minha cabeça mas ultimamente não consigo e sinto um cansaço tremendo ao ponto de desistir e deixar que esses problemas me consumam.
    Acabei por perceber que o maior medo que tenho é o de ficar sozinha, é ver sair os meus filhos de casa e eu ficar ali, sentada no sofá, prostrada em frente à TV sem ter com quem partilhar a minha vida. Eu tb me sinto como tu, uma mulher de 35 anos, a viver sozinha uma vida de uma mulher de 60 anos presa a uma mente de 20 e o pior é que tenho tanto medo de que este medo nunca me largue que não sei o que fazer.

    ResponderEliminar
  3. Se eu tivesse uma resposta ou uma solução... adorava ter, mas não tenho.
    Acho que para pessoas como nós, que não conseguem tomar as rédeas da sua própria vida, resta-nos ver a vida a acontecer e esperar que ela nos veja com bons olhos e os traga algo de bom.
    Não me posso queixar mas espero que a vida, pelo menos, me deixe de pregar partidas. Para mim já era excelente.

    ResponderEliminar