sábado, 26 de maio de 2012

[Bem-devagar]




[Ler bem-devagar. Em tom lânguido. De voz descaída. De pensamento leve. De calor nos lábios. Lambendo cada letra. Degustando cada-uma-das-palavras. Sussurrando de olhos fechados cada um dos sentidos. Perder tempo lendo, até lhe encontrar significado. Ganhar ardor no peito. Implodir o desejo. Ler bem-devagar.]

As pontas dos dedos percorreram-lhe a pele. Devagarinho. Bem-devagar. Milímetro-a-milímetro. Como quem quer conhecer célula-a-célula. Cada sinal. Cada pequena ruga. Cada insípido vinco. Cada sobressalto no relevo. Cada acidente da sua natureza. Cada marca da sua existência. Queria conhecer-lhe a pele como quem estuda o mapa antes de uma viagem. Percorreu-lhe todo o corpo como quem anseia descobrir o mundo. E percorreu-o todo. Bem-devagar.

[Ler bem-devagar. Em tom lânguido. De voz descaída. De pensamento leve. De calor nos lábios. Lambendo cada letra. Degustando cada-uma-das-palavras. Sussurrando de olhos fechados cada um dos sentidos. Perder tempo lendo, até lhe encontrar significado. Ganhar ardor no peito. Implodir o desejo. Ler bem-devagar.]

Subiu, a ritmo lento, desde o umbigo profundo e arfante, até aos mais proeminentes sinais de desejo. Pele tensa de vontade. Suada de fulgor. Quente de interdito. Descobriu as mamas de um corpo arqueado. Descobriu-lhe as belíssimas mamas bem-devagar. Mirou-as de olhos semicerrados. Mediu-lhes o desejo.  Teve a certeza da vontade. Aproximou o nariz bem-devagar. Chupou-lhe os mamilos bem-devagar. Envolveu-lhes a língua bem-devagar. A dureza dos mamilos aconteceu bem-depressa. Não conseguiram lutar. Entregaram-se. Levantaram-se de rendição. A língua persistente continuou. Bem-devagar.

[Ler bem-devagar. Em tom lânguido. De voz descaída. De pensamento leve. De calor nos lábios. Lambendo cada letra. Degustando cada-uma-das-palavras. Sussurrando de olhos fechados cada um dos sentidos. Perder tempo lendo, até lhe encontrar significado. Ganhar ardor no peito. Implodir o desejo. Ler bem-devagar.]

Abusadora sobe morta, a língua sobre o esterno. Sobe perigosa e bem-devagar. No encontro com o pescoço hirto, invade com os lábios a pele tensa e suada do caminho até ali percorrido. Sugando cada beijo, puxa a pele, bem-devagar, como se de um beijo morrido se se tratasse. Chupa-lhe a pele, ainda bem-devagar. Beija-lhe as orelhas em leve toque não tão devagar. Sussurra-lhe o ímpeto em surdina, com o arfar a aumentar. Mostra-lhe o tesão em voz alta e corre por ela acima. Corre-lhe para os lábios e viola-lhe a língua. Brigam entre elas para que apenas uma delas possa ganhar. Morde-lhe os lábios. Aperta-lhe a pele. Crava-lhe as unhas. Sobe-lhe pelas pernas, mais e mais. Come-a com vontade. Come-a com pujança. Come-a com gritos. Come-a com gemidos. Vem-se a ferver. Já se foi o devagar.

Ela veio-se para ele e sorriu. Desarrepiou-se e se abriu... Tudo isto sempre, bem-devagar.






17 comentários:

  1. Minha querida e doce Dias Cães, isto sim, é boa literatura erótica! Que poder tu tens, Mulher!

    (espero bem que O tesão não tenha sido por engano e que, tal como eu, também tu não digas A tesão ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=tesão

      Aqui fica a resposta.
      Não há dúvidas: é masculino!

      Beijos

      Eliminar
  2. Lindo texto, de uma realidade abusadora, no ritmo certo do toque, no sentir de cada momento, no arfar do desejo, no suar do calor certo, no sugar forte mas lento, no culminar do sorriso, do abrir e do findar num abraço forte e quente, amoroso...

    Beijos lentos, vagarosos, ternos...

    Raul

    ResponderEliminar
  3. [Obrigada Raul... Poderia ter lido mais mil vezes que os meus olhos já não iriam ver. Bj]

    ResponderEliminar
  4. Gosto como escreves e descreves a forma erótica, eu não saberia dizer da mesma forma que tu. Li conforme a recomendação: devagar como se saboreasse cada palavra.E senti tal e qual a realidade.Mas a mim o que mais me toca é sempre a respiração.Fostes perfeita na descrição de como proceder a leitura! Bjs

    ResponderEliminar
  5. Obrigada Márcia!
    A intenção era mesmo que a leitura se desse bem devagar... degustada...
    Ainda bem que seguiu o conselho.

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  6. Um bom dia, Noites Caninas...))

    Nem o Priberam tem adjectivos à altura para tamanha qualidade. Sublime é pouco para tanto.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Salvador.
      Um beijo de saudade para si ;)

      Eliminar
  7. A proposito de devagar, no outro dia em Berlim um alemão voltou-se para mim e disse:
    " em Portugal parece que só existem 3 velocidades:devagar, devagarinho e parado"...será que este neo-nazi tinha razão!!!!

    BerlinAlexanderPlatz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode estar a falar com conhecimento de causa e, portanto, terá lá as razões dele ou pode estar, tão simplesmente, a fazer juízos de valores ... exactamente como aquele que fez agora, quando o chamou de neo-nazi.
      Bem, mas em relação às velocidades... Não vejo mal nenhum em que seja verdade. Repare que ele nem falou em marcha-atrás. E note, ainda, que a pessoa até foi ligeira no seu comentário quando disse "parece"... Demonstrando dar algum benefício da dúvida.

      Eliminar
    2. Pois é..... nunca se esqueça que o povo alemão é um enigma dentro de um mistério!
      Relativamente à marcha atras que o Lenine tanto gostava (estou a falar em termos politicos), ele esqueceu-se de mencionar porque é um berlinense cosmopolita.Já não seria a mesma coisa se fosse um tipo da baviera.Funcionam como o "Botas" esse ilustre Portugues, ou seja " Tudo pela Alemanha, Nada contra a Alemanha".
      Relativamente aos juizos de valor isso cheira-me a linguagem dos povos do sul..(nunca sabem nada, nunca viram nada...mas são os melhores do mundo, o que até é verdade até temos o CR7 e o Mourinho)....preconceito e convicções talvez.
      Esse "Parece" é que me lixa...porra você lê tudo, tenho de fugir daqui porque você até parece a Maya...

      BerlinAlexanderPlatz

      Eliminar
  8. Não tenho resistido a vir ler este seu texto todos os dias...

    Agora já nem o leio, sinto-o, lambo-o, beijo-o, toco-o, sempre de olhos fechados porque já não preciso de seguir as letras, apenas o instinto suave e doce que lhe está entranhado.

    Beijos

    Raul

    ResponderEliminar
  9. A casa está aberta para o receber. Sabe que é bem-vindo sempre que lhe apetecer!
    Bj

    ResponderEliminar
  10. Texto absolutamente fantástico!
    E eu sou fácil, pois adoro ler.
    Mas lendo devagar, seguindo as instruções, até conseguiste deixar-me arrepiada.

    Beijo,
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É nestas alturas que penso que nem tudo está perdido e que ainda vale a pena ir escrevendo alguma coisa.

      Obrigada Ana,
      Beijinhos

      Eliminar
  11. "beijo morrido" É isso porra. Obrigado

    ResponderEliminar
  12. Eu é que agradeço a visita.
    Bem-vindo!

    ResponderEliminar