sexta-feira, 19 de julho de 2013

Manual de sobrevivência




Manual de sobrevivência para quem lida diariamente com otários, cobardes e hipócritas e outros tipos de jumentos
(como o título é muito longo nunca vou poder editar um livro só meu, o que é uma grande pena)


Pois é meus amigos, temos dias em que precisamos imenso de um amparo, de uma mão que nos guie, de uma vozinha que nos corrija a vontade de mandar à merda os imensos cidadãos que perturbam o nosso dia-a-dia.
Por isso, é com todo o prazer que venho partilhar alguma da minha vasta experiência, graciosamente resultante do convívio muito frequente com os mais altos asnos desta piquena sociedade onde sobrevivo.
Preparei um manual só para vós, pessoas amorosas, que são diariamente levadas ao limite da paciência, da boa-educação e da finesse
Fiquem com o meu "Manual de sobrevivência para quem lida diariamente com otários, cobardes e hipócritas e outros tipos de jumentos":

Capítulo I

Quando os imbecis atacam por telefone

1º - Caso não consiga ver quem o está a contactar (ainda há imensos telefones fixos sem visor, o que é uma enorme maçada), comece o telefonema sempre com o seu tom habitual e não avance até compreender, exactamente, com quem está a falar. 

2º - Depois de ter a certeza que está a falar com aquele imbecil do costume, modere o tom, não mostre empatia, disponibilidade nem voluntarismo. Fale pouco, responda evasivamente, não alimente a conversa, mostre desconhecimento sobre todos os assuntos que ele abordar. Lembre-se que o objectivo não é fazer o outro feliz: é terminar com o seu sofrimento.

3º - Se perceber que afinal está a falar com um outro qualquer noveau tromper não aponte as armas. Dê uma segunda oportunidade à pessoa. Afinal de contas todos temos maus dias. Mas convenhamos, se à terceira vez se voltar a armar em anormal, você já terá legitimidade para colocar em prática as restantes tácticas do manual.

4º - Nunca, mas nunca, atenda um telefonema que não é para si. Se o telefone do colega de trabalho, ou o telemóvel da sua mãe, estiverem a tocar, não caia na tentação. Não amplie a sua rede de otários quando não há qualquer necessidade. Lembre-se que todos conhecemos estropícios mas se podermos ficar só por aqueles que já estão na nossa rede de contactos, melhor.

5º - Mas, caso cometa esse gravíssimo erro, proceda da seguinte maneira: afável. Sim, não vai querer que façam queixa de si nas suas costas. Antes ter para atirar aos outros do que esperar que os outros atirem sobre si. Seja simpático mas não mostre interesse em resolver-lhe os problemas ou dar-lhe a informação que ele pretende. Evasiva: é a palavra de ordem.

6º - Caso esteja a lidar com uma pessoa de patente acima da sua, e que sabe que o pode massacrar no futuro, diga sempre que sim a tudo. Não combata. Não é o momento para insuflar o ego nem demonstrar inteligência. Diga que sim a tudo mesmo que não pretenda fazer absolutamente nada. 

7º - Não se esqueça, controle o tom de voz, mantenha um tom monocórdico mas firme, o suficiente para que do outro lado entendam que tem mais que fazer, e nunca se exalte. Mantenha a razão do seu lado.

8º - Todos os contactos de todos os imbecis que conhece devem ser religiosamente guardados para não ter a surpresa de atender um telefonema indesejado. Para algumas pessoas estamos sempre, simplesmente, fora de rede.



Capítulo II

Quando os tontos atacam por mail ou qualquer outro meio igualmente cobardola

9º - Tenha a certeza de uma coisa: quando uma pessoa, com quem temos um relacionamento assim a dar para o azedo, nos contacta por mail, claramente, está a denunciar a sua fraqueza de espírito. Nesse momento fique seguro de que você tem o controlo da situação nas mãos.

10º - Se o tom do mail for agressivo, mantenha a noblesse. Não instigue esse tom. Não se envolva em troca de espinhas porque, relembre-se, tudo o que ficar escrito pode virar-se contra nós e não teremos como negar um momento de rudeza ou falta de educação.

11º - Se o mail demonstrar frouxidão e fraqueza, considere uma atitude altiva. Mostre-lhe que está no poder e ao comando da situação. Mostre-lhe que ele, nesse momento, depende de si, do seu humor, e da sua vontade de colaborar.

12º - Comece sempre o mail com o mesmo cumprimento que lhe dirigem a si, mas atenção! Se se dirigirem a si num tom frívolo ou cheio de intimidades, coloque a pessoa no sítio a que ela pertence e retome o tom formal. Não tema fazê-la sentir-se inferior. 

13º - O final do mail é, igualmente, importante. Nunca largue beijinhos e abraços antes do seu nome. Também não aconselho os "melhores cumprimentos". Não queira ser simpático com quem não merece. Um simples "cumprimentos" bastará e mantê-lo-á num local seguro entre a cordialidade e o profissionalismo.

14º - Nunca responda ao mail. Crie um novo. Não vai querer enganos. Não exclua a hipótese de pensar que está a falar com a amiga sobre o idiota que acabou de lhe enviar um mail e, afinal, estar a dizê-lo ao próprio. Acredite, pode acontecer.

15º - Não se envolva em mails em cadeia e não eternize o sofrimento. Não exceda os dois mails. Está do seu lado, da pessoa inteligente, conduzir a conversa até onde bem entender.

15º - Todos os mails de todos os imbecis que conhece devem ser religiosamente guardados porque, no caso de vir a ser necessário defender-se deve de os usar como prova. Não hesite!


Capítulo III
Quando os estupores atacam pessoalmente

16º - Antes de mais, mantenha sempre o controlo. Não se finja surpreendida mas também não seja simpática. Erga o pescoço, mantenha o queixo hirto, olhe de cima para baixo. É proibido sorrir. Um sorriso hoje, dois amanhã e o palerma achará que já são amigos.

17º - Nunca pare. Continue sempre o seu caminho ou que estava a fazer. Mostre que tem uma vida, que está ocupada e não que tem tempo para conversas de circunstância. Torne evidente que ele não tem nada para lhe dizer que interesse.

18º - Nunca cumprimente com beijos e considere se um aperto de mão é merecido. Lembre-se que está a tocar numa mão que facilmente poderá estar conspurcada. O ideal será um aceno de cabeça e um voltar de costas com o nariz empinado sobre o ombro.

19ª - O mais importante num contacto pessoal é a linguagem corporal. Mesmo que não profira uma palavra, o seu corpo dirá o que está a sentir e a pensar. Por isso, foque os olhos do otário, e nunca desvie. Ele que o faça primeiro. Enfraqueça-o. Mantenha o tronco direito e não gesticule porque irá demonstrar um nervosismo vencedor para o adversário. Cerre os lábios. E quando falar seja duro e nunca mude de tom. Mas não exagere. Pode criar uma tensão inversa e excitar o estuporzinho. E vai querer tudo menos viver com a recordação de uma erecção, à sua conta, do maior estupor à face da terra.

20º - Caso ele até simpatize consigo, mantenha a altivez. Não ceda. Caso ele nutra, igualmente, os mesmos sentimentos de asco por si, mantenha o duelo justo e não tente inverter a psique do adversário... Ou quem acabará excitado é você.

21º - Nunca aceite números de telefone, mails, presentes, sorrisos ou qualquer tipo de convites. Mais tarde irá pagar a factura.

22º - Finalmente, lembre-se daquele princípio zen, dito por um daqueles senhores que vestem camisas de dormir e meditam um horror de séculos para serem boas pessoas: tudo o que damos recebemos de volta. E todas as pessoas com quem fomos filhos da mãe, acabam por se cruzar no nosso caminho, mais cedo ou mais tarde e, na próxima vez, podemos estar nós na mó de baixo e os sacaninhas na mó de cima, calçados com uns high heels da Louboutin de 15 cm a perfurarem-nos as órbitas em menos de nada.

23º - Nesse dia sorria... e corra.




2 comentários:

  1. Para imprimir e colocar na secretária. A não esquecer :-)

    R.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar