sexta-feira, 16 de maio de 2014

A Poesia e a Ironia


«Poesia como forma de colocar a afectividade em modo de pensar e o pensamento em modo de afectividade.
Como se o sentir pudesse ser mansamente dimunuido (ou aumentado) de forma a que não chegue ao grito, mas sim à sensata observação. 
Sentir para perceber melhor, não para gritar melhor.
Ironia, portanto, como modo de diminuir o disforme que há no grito e na excitação; dor e prazer transformados em verso que, dois metros acima desse solo que dói e tem prazer, diz: ali em baixo dói-me e tenho prazer, porém eu, aqui, enquanto verso, estou dois metros acima (pelo menos). 
Eis a ironia: o verso está a uma distância segura dessa vida sempre inseguríssima e por vezes parva - outras vezes excelentíssima, mas sempre incontrolável. Ou talvez até isto: uma elegante forma de sobrevoar as palavras no exacto momento em que elas são ditas; o humano é, apesar de tudo, maior, mais alto e mais largo do que as palavras - eis o que diz a linguagem que utiliza a ironia.»


Gonçalo M. Tavares in Visão (n.º 1106) sobre a poesia de Vasco Graça Moura




Sem comentários:

Enviar um comentário