sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Há homens que nos deixam


Frida Stenmark



Há homens que nos deixam
Loucas,
Desvairadas de tesão.
Deixam-nos perdidas por eles,
De corpos possuídos,
Ideias turvas,
Suadas de escravidão.

Há homens que nos deixam
Mudas,
Porque as palavras serão poucas.
Para agradecer-lhes a vida,
A comunhão,
Escasseiam-nos as palavras,
Quando o desejo une as bocas.

Há homens que nos deixam
Estúpidas.
De tão sábios que são.
Ficamos embriagadas,
De tão frondosa sapiência,
Olhamo-los nos olhos,
Ficamos sem chão.

Há homens que nos deixam,
Nas bermas,
Do nosso amor próprio.
Fazem-nos crer que nada somos,
Que lhes devemos a vida,
Destroem-nos a alma,
Consomem-nos os sonhos.

Há homens que nos deixam,
No passado.
Presas a nós mesmas,
A desejos irreais.
Agarrando-nos pelos ovários,
Por intenções que não tinham,
Iludindo-nos com desejos carnais.

Há homens que nos deixam,
A comer-lhes na palma da mão.
E nós, tontas,
O que fazemos?
Sucumbimos ao desejo,
Rebolamos de,
Tesão.


5 comentários:

  1. Muito bom, é de tua autoria?. Se sim agrada me essas vivências.

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Já dizia o outro... "Os animais são todos iguais, mas alguns são mais iguais que outros" ;)

    ResponderEliminar
  3. Ah, os homens! Ainda bem que nem todas nos deixamos "entesoar" pelos mesmos! :p

    ResponderEliminar