domingo, 2 de outubro de 2011

As sósias


E agora uma coisa que não tem nada a ver... porque chega de coisas sérias.

É incrível como, desde que me conheço por gente, sempre fui comparada com alguém conhecido. Mesmo quando não sou comparada com pessoas conhecidas do público em geral, há sempre uma alma que diz: "faz-me lembrar alguém...". O que não terá nada a ver, certamente, com o facto de ter uma figura comum para mulher latina, morena e rodas-baixas. Nada mesmo!
Apesar de não ter tido um começo auspicioso, dado o desenvolvimento fisionómico que se vê, já considero que, afinal de contas, ser parecida aos cinco anos com a apresentadora Ana Paula Reis não era mau de todo. Comecei por me parecer com uma pessoa da idade da minha mãe o que não é, percebo hoje, necessariamente mau, ainda que me remeta para um mundo paralelo como o de Benjamin Button. 
Com o andar dos anos, e a invasão das novelas brasileiras, a adolescência trouxe-me qualquer coisa ao rosto que, aos olhos das outras pessoas, me posicionava ao nível da Nívea Stellman que, era gira sim senhora mas, convenhamos, seria um exemplo um pouco exagerado para comparações. 
Mas o grande pesadelo havia de chegar, algures em 2007, quando Vânia Fernandes ganhou a "Operação Triunfo" e ainda se esticou para o "Festival da Canção". Chamavam por mim (ela) na rua, diziam entre dentes "olha a senhora do mar", e... atenção... cheguei a dar um autógrafo porque a pessoa não acreditava que eu não era a Vânia Fernandes. Mas ainda piorou. Pessoas que me conheciam de vista, há anos, chegavam a perguntar à minha mãe: "então a Vânia está boa?". 
É caso para dizer: Não há cu para isto!
Mas o mais curioso é que, no mesmo ano, com o filme "Death Proof", à saída do cinema me dizem: "és parecida com a miúda da lap dance". Ui! Isso é que foi ficar feliz! Que a Vanessa Ferlito é grande canhão e com comparações dessas eu não me importo. 
Se seria uma boa oportunidade para comparar a Vânia com a Vanessa? Seria. Mas é tão descabido que nem vale a pena. O que interessa é que, ainda hoje, gosto de pensar em mim como uma Vanessa Ferlito (ainda que siamesa da Vânia Fernandes).
Com a idade, sabe-se, perdem-se encantos mas ganham-se tantas outras coisas. A Sara Ramirez (Dr. Callie Torres em "Anatomia de Grey") passou a ser a minha sósia mais provável para muito boa gente. Pelo cabelo, pela tez, pela corpulência (não tenho ilusões) mas sobretudo pelo rosto! E quem me conhece dizia que até a postura, a voz e a atitude eram parecidas. A isto nunca saberei responder, porque me falta o distanciamento, mas está-se mesmo a ver que não me importava nada com esta comparação, não fossem as semelhanças entre nós ficarem-se só mesmo por aqui.

E chego, finalmente, à razão que me levou a escrever sobre as minhas sósias ao longo desta vida:
Renego qualquer parecença com a Fanny do "Secret Story". Fim de história.

(bem me podia ter ficado pela Ana Paula Reis)





4 comentários:

  1. Nem queiras saber quem3 de outubro de 2011 às 17:31

    Escreves muito, muito, muito bem. O blogue é muito, muito, muito bom.

    Parabéns sinceros.

    ResponderEliminar
  2. Neste momento limpo o queixo :)
    Mas eu quero saber quem disse, ahahahaha.

    ResponderEliminar
  3. Olha, vou repetir o comentário de cima, que não foi meu, mas quando leio os teus textos, é a conclusão que chego: escreves muito mas mesmo muito bem!!

    ResponderEliminar
  4. Fico, então, à espera de mais visitas.
    E obrigada ;)

    ResponderEliminar