terça-feira, 11 de outubro de 2011

Chama-me puta


Pedia-te que me chamasses puta. A tesão era maior. No início tinhas medo de me ofender, depois percebeste que uma mulher de vez em quando tem de ser ofendida para se entregar com mais corpo.
Começava por criar a personagem, sempre de roupa interior preta, muito pequena, com meias de liga aprumadas, maquilhagem carregada nos olhos, um batom vermelho nos lábios, o cabelo impecavelmente apanhado, o perfume intenso. Era a puta dos teus sonhos. Cara. Exclusiva. Muito devota aos teus desejos. Indisciplinada o suficiente para te dar umas palmadas e te morder impiedosamente. Nas cenas de sexo compulsivo agarravas-me as carnes do corpo com os dedos de uma mão ferrados nas nádegas para me empurrares mais contra ti. A outra mão agarrava-me o cabelo de modo violento, como só o teu amor sabia fazer. Usavas-me para satisfazer os teus caprichos enquanto eu encarava o acto como trabalho que tinha de ser feito. Sorria perversamente para ti enquanto te espremias para te conseguires vir. Sorria-te com toda a filha da putice para te sentires mais excitado. Para me veres a levar contigo, com toda a satisfação e sem qualquer esforço. Por pura sacanice.
Quando estavas quase a conseguir, e desesperavas por um estímulo triunfante, lambias-me as mamas, chupavas-me os mamilos e caminhavas, lentamente, com a língua pela minha pele até ao meu ouvido, e sussurravas "diz-me palavrões sua putinha". Na realidade bastava dizer-te um "fode-me". A dureza de ti dentro de mim emergia e desvanecia-se em um minuto. Vinhas-te. Fechavas os olhos. Gemias. Estremecias. Perdias o poder. Eu ganhava-o. Apenas naquele momento, porque mais tarde havias de voltar a mandar em ambos. 

Pela manhã abandonavas sempre a cama antes que a lamechice depois do sexo pudesse falar. Os lençóis suados eram deixados para trás sem palavras nem complacência.
Afinal de contas, tinha sido só mais uma foda.





7 comentários:

  1. Aposto que viste a cena todinha na tua cabeça... ;)

    ResponderEliminar
  2. UAU... este foi dos melhores posts qu li nos ultimos tempos! Parabéns ;)

    ResponderEliminar
  3. É caso para dizer: "G'anda maluca" :)
    Obrigada!

    ResponderEliminar
  4. Foder por foder. Importante. Fundamental. Mas não é tudo. Ao fim de pouco tempo sabe um bocado a nada.

    ResponderEliminar
  5. É como o sal. Depois de tanto tempo a comer a comida salgada começamos a habituar-nos. E, ainda assim, há-de chegar o dia em que a comida já não nos sabe a nada.

    ResponderEliminar