domingo, 9 de outubro de 2011

Palavras de um Amor Naïf



Fui mulher muito amada por palavras, pouco amada com a razão. 
As cartas que se seguem estão longe de me ter dado palpitações noutros tempos, mas hoje não consegui ficar indiferente quando estas me caíram da estante, num dia de arrumar livros.


Estas são algumas cartas de amores, de outros tempos, que descobri cá por casa... 
__________________________________


(Por ocasião da oferta de um livro... com o meu nome)


"A história de uma mulher forte para outra mulher forte.
 Minha XXXX,
XXXX minha,
XXXX da minha alma...
Esta é a minha prova de gratidão humilde, pela forma como marcaste e marcas a vida deste mortal!!!


Para a PRINCESA,
do YYY."

__________________________________

(oferecido com uma pregadeira com formato de estrela)


"Para a XXXX.
Uma pequena estrela para uma ESTRELA MAIOR!
Do YYY, o seu fã n,º 1.
Lista de fãs da XXXX:
1º - YYY
2º - ... (?)
3º - ... (?)
4º - ... (?)
...
(?)
P.S.: Isto serve também como agradecimento (pequeno) do turbilhão de emoções que tens despertado em mim... principalmente quando dizes ou escreves que gostas de mim ou que me adoras!


YYY"

__________________________________

(com a oferta de outra pregadeira em forma de estrela... sim, a segunda...)


"... Uma estrela do mar, da Costa Alentejana, entregou-me isto para eu oferecer a uma estrela de terra firme...
Para a minha abobrinha de sempre e para sempre!
"Eu choro pelo meu amor...
Eu choro pelo meu amor...
Tão perto e tão longe... não sei onde vou parar...
Tão perto e tão longe... não sei onde vou parar...
... sozinha, no escuro... perdido, esquecido...
... uma hora, outra hora... eu choro pelo meu amor...
Tão perto, tão longe...
... Não sei onde vou parar."


A pensar em ti!"
YYY

__________________________________

O tom pueril não faz prever que se tratam de bilhetes com pouco mais de 5 anos.
Demonstram, contudo, que andávamos em pontos diametralmente opostos sobre o que queríamos um do outro.
Eu queria sexo. Ele queria amor. 
As mulheres são tramadas.

A única coisa que me consola nisto foi nunca ter dito que o amava ou que estava apaixonada.
Fiquei-me por um "gosto de ti" e um "adoro-te".
Pelo menos fui coerente.
.
.
.

Sem comentários:

Enviar um comentário